Vitória sofrida


Daniel Alves entra, salva Brasil no fim e espanta 'zebra' africana para ir à final




Foi sofrido. A segunda "zebra" das semifinais da Copa das Confederações rondou o estádio Ellis Park nesta quinta-feira, mas foi afastada por Daniel Alves. Autor do gol brasileiro na vitória por 1 a 0 sobre a África do Sul, o lateral-direito ajudou a equipe a carimbar sua passagem à decisão da competição pela quarta vez na história. A dificuldade, contudo, foi grande. O gol saiu somente aos 42min da etapa final.

Daniel Alves entrou no lugar de André Santos aos 36min do segundo tempo para ser o nome do jogo seis minutos mais tarde. Com cobrança de falta perfeita, sua especialidade, foi o herói da classificação brasileira e o carrasco do conterrâneo Joel Santana, treinador dos sul-africanos.

Ao som de sua ensurdecedora torcida, os anfitriões venderam caro a derrota na primeira semifinal do país em um torneio Fifa. Batalharam com a mesma vontade do início ao fim pelo que seria um triunfo histórico. Foi o jogo mais duro para o Brasil na competição. No entanto, o time de Dunga fez valer o favoritismo. A equipe da casa, por sua vez, teve a valentia reconhecida e foi aplaudida após o apito final.

A decisão contra os Estados Unidos acontece novamente no Ellis Park, em Johanesburgo, às 15h30 (de Brasília) do próximo domingo. No mesmo dia, às 11h (horário brasileiro), a África do Sul busca o terceiro lugar diante da Espanha em Rustenburgo. Os europeus foram vítimas da maior surpresa do torneio ao perderem para os norte-americanos na primeira semi.

Será a quarta decisão de Copa das Confederações do Brasil em seis edições. O retrospecto é positivo. Os pentacampeões levaram o título em 1997 e 2005. Só perderam a final em 1999.

Com Luisão no lugar do lesionado Juan, única alteração em relação à partida passada, o Brasil viu logo no começo do jogo que teria trabalho na defesa. Joel Santana não blefou ao dizer que sua equipe buscaria o ataque. Sem a bola, porém, a África do Sul postou os 11 no campo de defesa. A seleção de Dunga também se posicionou bem atrás.

Por isso, o primeiro chute a gol do jogo aconteceu só aos 12min, com Ramires. Já a primeira chance clara de gol foi dos anfitriões, em cabeçada de Mokoena que assustou Júlio César. Uma cobrança de falta de Tshabalala também levou perigo.

A torcida fez sua parte. Além de soprar as tradicionais vuvuzelas, os sul-africanos gritaram e ficaram eufóricos a cada drible, passe em profundidade ou cruzamento. Também lamentaram em coro os erros dos Bafana Bafana, que não foram poucos (principalmente no setor ofensivo).

O mesmo aconteceu com o Brasil. A insistência pelo meio resultou em tabelas incompletas. Os laterais também não conseguiram chegar ao fundo com frequência. Kaká e Robinho tentaram buscar mais o jogo para abrir espaços. O camisa 10 teve as melhores chances da seleção no primeiro tempo. Um chute que raspou a trave. O outro parou nas mãos de Khune. Pienaar deu o troco no fim da etapa inicial.

Depois do intervalo, o Brasil esboçou postura mais aguda, com marcação adiantada. A equipe da casa, por sua vez, empolgou-se com seu desempenho e representou perigo constante à meta de Júlio César. Do outro lado, Khune teve menos trabalho.

A falta de criatividade no meio e o individualismo excessivo dos homens de frente complicaram a seleção brasileira. Se por um lado Júlio César foi pouco ameaçado (exceção feita a chute perigoso de Teko Modise), Kaká, Robinho e Luís Fabiano também pouco fizeram de efetivo, vencidos pela marcação.

Mas Dunga tinha Daniel Alves como opção. O lateral-direito saiu do banco para anotar belo gol de falta e frustrar mais de 40 mil sul-africanos presentes no estádio. As vuvuzelas perderam força, assim como os gritos dos fãs dos Bafana Bafana.

Merece destaque
Uol Notícias
Anterior
Próxima

Blogueiro, editor do blog Merece Destaque, apaixonado por comunicação e por fotografia, Almir Neves gosta de inovar e aceitar novos desafios.

0 Comentários: