Edson Vieira afirma que pode chegar a 60.000 votos no Estado

Otimismo e descontração foram a tônica da entrevista do deputado Edson Vieira
Abrindo a série de entrevistas da rádio Comunidade FM com os três candidatos locais às eleições proporcionais deste ano, o deputado Edson Vieira (PSDB) mostrou-se bastante otimista em relação aos resultados que espera obter nas urnas no próximo domingo.

Em Santa Cruz do Capibaribe o deputado espera receber pelo menos 20 mil votos. No Estado, a expectativa de Edson é superar a barreira dos 60.000 votos. Se isto acontecer, ele deverá estar entre os três candidatos a deputado estadual mais votados do PSDB em 2010.

Motivos para tamanho otimismo existem de fato. Além de ter, nos últimos anos, alargado as suas bases em comparação com o pleito anterior, Edson faz uma campanha sem contestações em Santa Cruz do Capibaribe. Por conta disso, e também pela eficiente coordenação de campanha, os comícios do candidato têm atraído um público numeroso. O deste domingo (26) foi o maior evento político realizado em 2010 na cidade (ver post abaixo).

Instado a garantir que, uma vez reeleito deputado, ficaria na Assembléia Legislativa pelos quatro anos de mandato, o que equivaleria a descartar uma candidatura a prefeito em 2012, Edson desconversou, evitando assumir qualquer compromisso neste sentido.

Uma outra interessante pergunta teve uma resposta mais elaborada: se ele não tinha pretensões a disputar um mandato de deputado federal daqui a quatro anos. Vieira respondeu dizendo que, se isto acontecesse, poderia converter os seus esperados 60.000 votos em 90.000, número que, dependendo do partido pelo qual se candidatasse, poderia garantir uma vaga na Câmara dos Deputados.

Uma leitura lógica das respostas dadas às duas questões acima é que o deputado não descarta uma candidatura a prefeito em 2012, embora esteja mais interessado, hoje, na disputa proporcional de 2014, só que de olho em Brasília.

Quanto à próxima eleição para a presidência da Câmara de Vereadores, Edson mostrou-se 100% convicto (expressão sua) de que o cargo máximo da Casa caberá ao grupo de Oposição.

Sobre uma provável adesão ao governo Eduardo Campos, a partir do ano que vem, conforme sinaliza o seu partido, o PSDB, Edson diz que, caso venha a ser convidado a integrar as hostes palacianas, irá consultar os vereadores e líderes históricos do grupo Boca-preta antes de decidir, bem como lideranças de outras cidades. 

Ele não incluiu na lista dos que seriam consultados o ex-governador Mendonça Filho (DEM), com quem faz dobradinha este ano em Santa Cruz, e descartou a possibilidade de ouvir Diogo Moraes (PSB) e seu pai Oséas Moraes a respeito do assunto, mesmo sendo a dupla a voz oficial do Palácio do Campo das Princesas em Santa Cruz.

Na última parte da entrevista, o deputado fez referências à situação administrativa atual de Santa Cruz do Capibaribe, citando o altíssimo índice de rejeição do prefeito Toinho do Pará, que alcançaria, segundo ele, incríveis 80%. Observou também que não existe sequer uma imagem ou citação do prefeito nos materiais de campanha dos candidatos situacionistas.

Finalizando, Edson prometeu, assim como tem feito durantes os comícios, que na noite do próximo domingo (03) estará comemorando com os santa-cruzenses a sua recondução á Assembléia Legislativa. E que, a depender da intensidade da comemoração, estará nos estúdios da Comunidade FM no dia seguinte, 04 de outubro.


Do blog Opinião

Postar um comentário

0 Comentários