Operação resulta na apreensão de 129 aves, algumas ameaçadas de extinção, em Taquaritinga do Norte


Uma fiscalização motivada por denúncias ao Ministério Público (MPPE) e à Ouvidoria da Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH) resultou na apreensão de 129 aves – incluindo um casal de pintassilgo-do-nordeste e um pintor-verdadeiro, espécies ameaçadas de extinção – e de dois filhotes de jabuti, além da constatação e embargo de desmatamento ilegal em três áreas, totalizando onze hectares, no município de Taquaritinga do Norte, Agreste do Estado. O total de multas – apenas para o caso das apreensões – será de R$ 101,5 mil.

Iniciada na quinta (14) e em prosseguimento na sexta (15), a ação conjunta, envolveu equipes dos setores de fauna e florestal da CPRH e da Companhia Independente de Policiamento do Meio Ambiente (Cipoma, Polícia Militar) e Delegacia de Polícia do Meio Ambiente (Depoma, Polícia Civil). Na quinta, em quatro residências do município, todas na área rural, foram apreendidos 92 pássaros criados ilegalmente, de diversas espécies, entre elas galo-de-campina, sanhaçu, cravina, trinca-ferro, periquito-da-caatinga, golinho, papa-capim, concriz e canário-da-terra.


A Agência ambiental emitiu quatro autos de infração, totalizando R$ 80 mil. O maior deles, de R$ 44 mil, foi para um morador de uma residência onde foram apreendidos os dois filhotes de jabuti e 50 aves, entre elas dois periquitos-da-caatinga (Eupsittula cactorum), espécie que sofre ameaça em razão do comércio ilegal, de acordo com lista da Cites – Convenção sobre Comércio Internacional das Espécies da Flora e Fauna Selvagens em Perigo de Extinção. O morador Elias da Silva Alves foi conduzido à Delegacia, sendo liberado após assinatura de um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO).


Já nesta sexta, em outra residência, agora na área urbana, no centro da cidade, foram apreendidos 37 pássaros, fazendo com que o número de apreensões da operação subisse para 129. Na lista estão um pintor-verdadeiro (Tangara fastuosa) – ave ameaçada de extinção –, galos-de-campina, sibitos, canários-da-terra e tico-ticos, entre outras espécies. O proprietário do imóvel, que não se encontrava no momento da ação, responderá por crime ambiental, com multa de R$ 21,5 mil – conforme auto de infração da CPRH.


Em relação às áreas onde foram constatados desmatamentos ilegais – duas para loteamentos irregulares e outra sem definição aparente –, houve embargo imediato, mas os autos de infração ainda não foram emitidos. Os proprietários não foram localizados durante a ação.


Com informações e fotos do CPRH
Anterior
Próxima

Blogueiro, editor do blog Merece Destaque, apaixonado por comunicação e por fotografia, Almir Neves gosta de inovar e aceitar novos desafios.

0 Comentários: