Vereadores dão detalhes sobre projeto de suplementação que possibilitou pagamento dos funcionários da Saúde, aprovado por unanimidade

Tema permeou grande parte dos discursos da Sessão Plenária desta quinta (23).


Na tarde desta quinta-feira (23), aconteceu a 16ª Sessão Plenária na Câmara de Vereadores de Santa Cruz do Capibaribe. O pedido de suplementação orçamentária feito pelo Poder Executivo e aprovado, por unanimidade, recentemente permeou grande parte dos discursos dos parlamentares.

Através do Projeto de Lei 008/2018 que possibilitou o remanejamento orçamentário para que funcionários efetivos da Saúde, como plantonistas do SAMU, pudessem receber os salário.

De acordo com o presidente da Câmara, Augusto Maia (Podemos) aprovar o projeto era essencial para que o município não fosse ainda mais prejudicado e servidores fossem penalizados pela má administração do orçamento para 2019.

"Votamos o projeto de suplementação com muita responsabilidade. É necessário a gente lembrar o nosso trabalho no ano passado debatendo amplamente o orçamento para este ano. Alocamos mais de R$ 40 milhões para o Fundo Municipal de Saúde. Colocamos também para educação R$ 46 milhões. O Bolsa Universitária modificamos de cerca de R$ 200 mil, triplicando para R$ 600 mil. Discussão de orçamento é algo complexo e delicado, algo que não podemos simplesmente jogar para a torcida. Se não tivesse sido aprovado não teria dinheiro para pagar os concursados, como os servidores do SAMU e o serviço iria parar", discursou.


O vereador e presidente da Comissão de Finanças e Orçamento, Junior Gomes (PSB) destacou a importância da discussão de suplementação passar pela Câmara.

"Quando fomos votar a Lei Orçamentária Anual existia uma emenda que deixava em 15% o valor do remanejamento e nós retiramos. Se a gente tivesse deixado essa emenda não estaríamos discutindo isso porque o prefeito poderia retirar de ônibus, creche, saúde, de onde ele quisesse. A gente está fazendo uma oposição extremamente responsável. Há uma série de deficiências no governo, mas a gente não pode fazer com que isso impeça que a prefeitura continue fazendo a execução do orçamento", disse Junior.

Marlos da Cohab (Podemos) falou da necessidade de aprovar o projeto para garantir o pagamento do salário de funcionários públicos.

"O remanejamento era R$ 6,3 milhões. Tivemos uma reunião que se passou três horas discutindo o que deveria sair, o que deveria ficar, ser aumentado, ser diminuído, para chegarmos ao valor de R$ 5,2 milhões. A gente aprovou por que temos responsabilidade com a população. Estava aqui o pessoal da Saúde esperando a aprovação para receber seus salários, e muitas pessoas que não têm nada haver e estavam com salários travados", pontuou o vereador.

A próxima Sessão Plenária acontecerá na quinta-feira, 30 de maio.

Informações da assessoria
Anterior
Próxima

Blogueiro, editor do blog Merece Destaque, apaixonado por comunicação e por fotografia, Almir Neves gosta de inovar e aceitar novos desafios.

0 Comentários: