Casos de dengue no Brasil têm aumento de 600% nos primeiros oito meses de 2019

Ao menos 14 estados estão em situação de epidemia. Doença já matou quase 600 pessoas desde janeiro. Em São Paulo, registros da doença crescem 37 vezes em relação ao mesmo período de 2018.


O Ministério da Saúde informou nesta quarta-feira (11/09) que desde o começo do ano até o último dia 24 de agosto, foram registrados 1.439.471 casos de dengue no país. O número é sete vezes maior que o registrado no mesmo período de 2018, quando foram feitas 205.791 notificações, e corresponde a uma média de 6.074 casos por dia.

Pelo menos 14 estados estão em situação de epidemia. Em Minas Gerais, onde houve o maior número de ocorrências, foi registrado um total de 471.165 casos (índice é de 2,2 mil casos a cada 100 mil habitantes). A cifra é 19 vezes maior do que a verificada um ano antes, quando os municípios mineiros contabilizaram 23.290 casos.

São Paulo (437.047) aparece em segundo lugar, sendo, ainda, o estado em que a incidência da doença mais cresceu – 37 vezes que no ano anterior. Em 2018, foram reportados 11.465 casos.

Já em Goiás, foram 108.079 registros, 47% a mais do que em 2018. Enquanto no Distrito Federal foram 35.531 infecções, com uma incidência de 1.194,4 casos a cada 100 mil habitantes.

Também são destaques no balanço Goiás (108.079 casos), Espírito Santo (59.318) e Bahia (58.956). Quando o critério é a variação por região do país, o quadro mais crítico se encontra no Sul (3.224,9%), que contrasta com o do Centro-Oeste (131,8%).

Apenas dois estados apresentaram queda na prevalência da dengue: Amazonas, que diminuiu o total de 1.962 para 1.384 (-29,5%), e Amapá, onde houve redução de 608 para 141 (-76,8%).

Casos de zika e chikungunya, doenças também transmitidas pela picada do mosquito Aedes aegypti infectado, aumentaram também. Segundo dados do Ministério da Saúde, casos de chikungunya subiram 44% no período, passando de 76.742 e para 110.627. Sendo que na região Norte do país o recuo foi 32% e no Centro-Oeste, de 92,7%.

Já a infecção por zika passou no período de 6.669 para 9.813, aumento de 47,1%. Só o Centro-Oeste apresentou queda nas transmissões da doença (-35,4%).

A elevação do número de casos foi acompanhada de um aumento significativo de mortes. As três doenças somadas provocaram 650 óbitos (591 por dengue, 57 por chikungunya e dois por zika).

Como estados com alta concentração do chikungunya, se destacam o Rio de Janeiro (76.776) e o Rio Grande do Norte (8.899).

No caso da zika, o aumento também foi em quase todos os Estados. Só Amazonas, Pará, Rio de Janeiro, Mato Grosso e Goiás apresentaram redução de casos.

Dr. Sebastião Inácio tem experiência em pacientes adultos e idosos, graves e ambulatoriais. Atuou nas emergências do Hospital da Restauração, Hospital Agamenon Magalhães e Hospital das Clínicas. Em Caruaru foi médico das UTIS do Hospital Regional do Agreste e da Casa de Saúde Bom Jesus, além dos pacientes da Clinica Médica da Casa de Saúde Santa Efigênia. Atualmente atende em domicílios e também nos consultórios. Entre em contato pelo Whatsapp (81) 9.9854-7030.
Anterior
Próxima

Blogueiro, editor do blog Merece Destaque, apaixonado por comunicação e por fotografia, Almir Neves gosta de inovar e aceitar novos desafios.

0 Comentários: