Magalu

Abandonado de vez pela gestão, aterro sanitário de Santa Cruz vira lixão em chamas


O que um dia foi um aterro sanitário onde era depositado todo o lixo produzido em Santa Cruz do Capibaribe, hoje está abandonado, virou lixão a céu aberto e em chamas.

Para quem passa pela estrada que dá acesso ao Sítio Cacimba de Baixo, na zona Rural do município, se depara com uma enorme nuvem de fumaça que polui o ambiente por vários quilômetros Caatinga a dentro e que pode causar sérios danos à saúde das pessoas.


O lixo mal acondicionado significa poluição ambiental, risco à segurança da população. Porcos, aves, insetos (moscas, mosquitos, baratas, etc.), ratos e micro organismos permitem o aparecimento de doenças tais como: dengue, febre amarela, disenterias, febre tifoide, cólera, leptospirose, giardíase, peste bubônica, tétano, hepatite A ou infecciosa, malária, esquistossomose, etc.

Outro grave problema é o chorume do Lixo, que é o líquido proveniente da matéria orgânica em decomposição. Por ser altamente poluente não pode ser disposto diretamente no meio ambiente, pois pode provocar a contaminação do solo, do lençol freático e de corpos d’água. É um resíduo escuro, viscoso e fétido e também atrai vetores de doenças, como moscas e roedores. Por esses motivos, o tratamento do chorume é essencial para evitar a contaminação do solo, das águas e, principalmente, de nós humanos.

O lixo pode provocar efeitos maléficos através de:

Agentes físicos – é o caso do lixo acumulado às margens de curso d’água ou de canais de drenagem e em encostas, provocando o seu assoreamento e deslizamentos;

Agentes químicos – a poluição atmosférica causada pela queima de lixo a céu aberto, a poluição do solo e a contaminação de lençóis d’água por substâncias químicas presentes na massa de resíduos;

Agentes biológicos – o lixo mal acondicionado ou depositado em local inadequado constitui um foco de proliferação de vetores transmissores de doenças.

É lamentável que a atual gestão municipal tenha deixado o aterro sanitário de Santa Cruz do Capibaribe, o qual funcionou por vários anos, voltar à condição de lixão a céu aberto.

Segundo informações, a gestão abandonou o local e passará a destinar o lixo produzido no município para um aterro sanitário em outra cidade.

Reportagem e fotos: Almir Neves / Blog Merece Destaque

Postar um comentário

0 Comentários