Magalu

Campanha do MPPE sobre não acender fogueiras, queimar e comercializar fogos neste período junino conta com apoio do TJPE e TCE-PE


Neste ano, a tradicional festa de São João não poderá ser realizada tendo em vista a situação de emergência em saúde pública devido à pandemia do novo coronavírus (Covid-19). Por recomendação do Ministério Público do Estado de Pernambuco (MPPE), os prefeitos das diversas cidades estão emitindo decretos para que seja proibido o acendimento de fogueiras e a queima de fogos de artifício, uma vez que tais artefatos podem vir a aumentar, ainda mais, a incidência de doenças respiratórias e consequentemente a procura das unidades de saúde devido, ainda, a queimaduras e aglomerações. O Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) e o Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco (TCE-PE) são parceiros nesta campanha.

A fim de apoiar a conscientização da sociedade quanto à premente necessidade, o MPPE lança, nesta sexta-feira, 12, a campanha de conscientização do pernambucano no período junino. Com peças para circulação em redes sociais (notadamente o Whatsapp, Instagram e Facebook), envio de e-mail marketing e VT, a campanha procura alertar sobre a aglomeração de pessoas, que compromete o isolamento social; a fumaça, que aumenta o risco de doenças respiratórias (como asma, rinite, alergia, entre outras); o risco de queimaduras com fogos de artifício e fogueiras.

“A tradição junina é muito forte em nosso Estado. E nós sabemos que acender fogueiras e queimar fogos de artifício, naturalmente, provocam problemas relacionados à doenças respiratórias, o que pode resultar: no agravamento dos sintomas dos portadores da Covid-19; aumento na procura de leitos hospitalares já escassos; bem como incentivar o processo de contágio devido à aglomeração de pessoas. Essa é uma ação impopular, mas essencial para que seja possível preservar vidas. Com a campanha, poderemos viralizar essa informação para que possamos conscientizar a população da extrema necessidade dessas medidas”, disse o procurador-geral de Justiça de Pernambuco, Francisco Dirceu Barros. As informações acerca da impossibilidade de acender fogueiras, queimar e comercializar fogos está contida na Recomendação PGJ n.º 29/2020.

O Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) e o Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco (TCE) são parceiros nesta campanha. “Nós que fazemos o Tribunal de Justiça de Pernambuco, apoiamos e endossamos integralmente essa campanha do Ministério Público de Pernambuco”, disse o presidente do TJPE, o desembargador Fernando Cerqueira. O presidente do TCE-PE, também reforça a necessidade da campanha. “Não acendam fogueiras. Respirar já é um grande desafio para quem desenvolveu a forma mais agressiva da Covid-19. Fogueiras tornam tudo bem mais difícil, principalmente porque as pessoas não têm a opção de viver e morar em outro lugar. O jeito será tentar sobreviver inalando muita fumaça e impurezas”, disse o presidente do TCE-PE, Dirceu Rodolfo.

A campanha é assinada pela equipe de publicidade do MPPE, com produção da assessora ministerial de Comunicação Social, Evângela Andrade; planejamento, conceito e redação de Andréa Corradini; design e arte Leonardo Dourado; imagens da fotógrafa, Priscilla Buhr; edição e locução de Lais Rilda; e música do promotor de Justiça Diego Reis. “Realizei a composição em 2015, quando passava uma temporada na Alemanha. A música, que faz parte do disco ‘Forró Instrumental’, lançado em 2017, é feita em parceria com maestro Bozó e fala sobre a saudade da nossa terra e das nossas tradições”, disse o promotor de Justiça Diego Reis. Ele realizou a cessão dos direitos autorais ao MPPE para utilização da composição nesta campanha.

Acompanhe os versos da campanha:

Este será um São João diferente,
pois no ano do Corona,
o mais importante mesmo
é a saúde da gente.

Com fumaça da fogueira,
é difícil respirar. 
Asma, rinite, alergia,
problema de falta de ar.

Fogos causam queimadura, 
o hospital precisa de lugar, 
pra quem tá com o corona
poder se recuperar.

Cada um faz sua parte, 
pra tudo isso passar. 
Cuidando do coletivo,
vamos também nos cuidar.

Postar um comentário

0 Comentários