Evite lesões nos bracinhos de seus filhos. Veja como:

A lesão mais comum em crianças é a pronação dolorosa, conhecida como Cotovelo de Babá.

Trata-se de uma lesão bastante comum na criança entre 18 meses e 04 anos de idade. Nesta faixa etária o cotovelo da criança não está ainda bem formado e apresenta muita frouxidão ligamentar.

O cotovelo é uma dobradiça formada pelo encontro do osso do braço (úmero) encaixado em um osso do antebraço (ulna). No antebraço existe outro osso (rádio), localizado no lado do polegar, e no cotovelo ele interage com a ulna para realizar a rotação do antebraço (chamada de movimento de prono-supinação) .

A cabeça do rádio é presa na ulna por um ligamento que a envolve como um anel (ligamento anular).
Se ocorre uma tração no rádio para longe do cotovelo ocorre lesão do ligamento anular (que é fino nas crianças) e o deslocamento da cabeça do rádio do encaixe no osso vizinho.



SINTOMAS

A criança começa a chorar e mantém o braço parado ao lado do corpo com a palma da mão virada para trás. Se recusa a levantar o braço acima da cintura que causa desconforto e não usa a mão deste lado (se você tenta lhe oferecer algo, por instinto ela apanhará com a outra mão). Tem dor quando tentamos “rodar”o antebraço. Ela até para de chorar mas mantém o braço imóvel ao longo do corpo para grande apreensão dos pais.

CAUSAS

A causa da lesão pode ser óbvia, como quando os próprios pais puxaram a criança pelo braço, mas em algumas circunstâncias pode ser obscura; a criança não sabe contar aos pais o que ocorreu e a babá afirma que a criança caiu…

Muitas vezes é uma combinação do movimento da criança e de um adulto.
  • A criança se joga no chão e um adulto tenta levantá-la pela mão (levante-a segurando por baixo dos braços).
  • Evite brincadeiras de balançar a criança segurando-a pelas mãos.
  • A criança está segura pelo braço quando sofre uma queda súbita.
  • Segurar a criança pela mão para ela não sair correndo.
  • Puxar a criança quando estamos andando de mãos dadas e estamos com pressa (lembre que o passo da criança é menor).


O QUE FAZER?

Leve a criança para o hospital o mais rápido possível. Um médico Ortopedista irá determinar se não há fratura ou algo mais grave.

Em geral, não há dor com a palpação do cotovelo e nem inchaço.

A radiografia não é necessária se não há sinais de fratura no exame físico, pois na pronação dolorosa a radiografia aparece normal apesar do deslocamento do rádio.

TRATAMENTO

Após acalmar a criança e os pais e estabelecer uma relação de confiança, o médico realiza uma manobra, chamada de redução , que é bastante simples, sendo realizada no consultório, sem necessidade de qualquer anestesia.

É realizada rodando o antebraço para colocar a mão virada para cima e depois fletindo o cotovelo enquanto segura o braço – pode sentir um click (isto pode causar um breve desconforto , mas em geral a criança recupera rapidamente a movimentação do braço).


Geralmente o médico pede para os pais aguardarem na recepção por uns 15 minutos e na reavaliação a criança já está utilizando normalmente a mão.

Habitualmente não há necessidade de nenhum tipo de imobilização ou fisioterapia após a redução, porém algumas crianças permanecem com desconforto, mesmo após a redução, talvez pelo cotovelo ter sofrido o deslocamento e machucado o ligamento.

Nestes casos o braço é imobilizado com tala gessada, prescreve-se medicação para dor e reavalia-se em 03 dias.

Algumas crianças têm maior predisposição a esta lesão e os episódios podem ser recorrentes. Isto não é motivo para preocupação, pois as lesões devem cessar com o crescimento da criança, não deixando nenhuma sequela.

Prevenção:

Evite puxar a criança pelas mãos conforme explicado anteriormente, especialmente se esta já tem história de pronação dolorosa. Neste caso oriente também a babá, os parentes e as outras pessoas que terão contato com a criança.

Fonte: Ossos do ofício
POR DR. EDUARDO PEREIRA
Anterior
Próxima

Blogueiro, editor do blog Merece Destaque, apaixonado por comunicação e por fotografia, Almir Neves gosta de inovar e aceitar novos desafios.

0 Comentários: