Ação preventiva contra Esquistossomose é realizada em Santa Cruz do Capibaribe


A Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe, através do Departamento de Vigilância Sanitária, realiza o trabalho de prevenção da esquistossomose com os agentes de combate às endemias. A ação acontece desde a segunda semana de janeiro e tem o intuito de identificar casos e orientar a população sobre a doença, riscos e como preveni-la. 

Os agentes passam de casa em casa em todos os bairros da zona urbana distribuindo potes para a coleta de fezes. Cerca de 1.000 amostras já foram coletadas de acordo com a diretora de vigilância sanitária, Nara Saraiva, e dos casos analisados não houve nenhuma identificação da doença. 

Esse trabalho, segundo Nara, é de prevenção. “É raro identificarmos casos novos de esquistossomose na nossa cidade, mas é importante alertar sobre os cuidados que cada um deve ter, como evitar o contato com rio, não defecar próximo a rios, açudes e lugares com água, evitando assim a contaminação pelos ovos de Schistosoma mansoni” comenta.

Ainda segundo a Vigilância Sanitária, em 2019 houve 1 caso da doença e em 2018, 7 casos. Para identificar ou descartar a suspeita, o departamento conta com o Laboratório de Entomologia, que é responsável pela avaliação, controle e estudo de pragas e agentes causais.

Assim que há a identificação, a Vigilância examina todas as pessoas da casa, e encaminha os pacientes para suas Unidades Básicas de Saúde, onde eles irão receber a medicação e terão o tratamento adequado. Após 90 dias, a Vigilância retorna à casa da pessoa para realizar o exame de verificação da cura.

É importante destacar que essa ação geralmente inicia em março mas, pensando na saúde da população, o Departamento antecipou o trabalho para alertar e prevenir todas as pessoas sobre a doença. 

O que é esquistossomose?

Popularmente conhecida como doença do caramujo ou barriga d’água, é transmitida através do contato da pessoa com água doce onde existam caramujos infectados pelos vermes causadores da esquistossomose. 

Os vermes dentro do organismo da pessoa, vivem nas veias do mesentério e do fígado. A maioria dos ovos do parasita se prende nos tecidos do corpo humano e a reação do organismo a eles pode causar grandes danos à saúde.

O paciente pode apresentar febre, dor de cabeça, calafrios, suor, fraqueza, dores musculares, tosse, falta de apetite, tosse e diarreia. Caso não seja identificada e tratada inicialmente, poderá causar aumento do fígado, aumento do baço, hemorragia digestiva, hipertensão pulmonar e portal e até a morte.
Anterior
Próxima

Blogueiro, editor do blog Merece Destaque, apaixonado por comunicação e por fotografia, Almir Neves gosta de inovar e aceitar novos desafios.

0 Comentários: