Bélgica confirma primeiro caso de coronavírus em animal doméstico transmitido pelo dono

Imagem reprodução / Internet.
A Bélgica confirmou, nesta sexta-feira (27), um caso de transmissão do novo coronavírus de humano para animal doméstico.

Uma mulher do município de Liège diagnosticada com a covid-19 infectou o seu gato de estimação, de acordo com representantes do Serviço Federal de Saúde Pública belga. A análise foi feita por pesquisadores da Faculdade de Medicina Veterinária de Liège. 

O professor Steven Van Gucht disse que o gato vivia em contato próximo com a dona, que começou a apresentar sintomas do vírus uma semana antes do animal.

"O gato teve diarreia, vomitava e tinha problemas respiratórios. Os pesquisadores encontraram o vírus nas fezes do gato", afirmou.

Na coletiva de imprensa, o microbiologista Emmanuel André frisou se tratar de "um caso isolado e que deriva de um contacto próximo com a pessoa doente, nada indicando que os animais sejam um vetor de transmissão".

A transmissão de humano para animal é rara. Até então, apenas três casos foram reportados: dois cachorros em Hong Kong e o felino da Bélgica. Os cães não apresentaram sintomas, e o gato teve "distúrbios respiratórios e digestivos transitórios", segundo a Agência Agência Federal de Segurança na Cadeia Alimentar da Bélgica (Afsca).
Caso é "isolado", segundo especialistas

O vírus pode ser transmitido do homem para o animal, mas "não há razão para pensar que os animais possam ser vetores da epidemia em nossa sociedade", insistiu o médico Emmanuel André, mencionando as análises científicas feitas em todo o mundo sobre o assunto.

Os casos de contaminação dos animais domésticos são raros. Em Hong Kong, as autoridades informaram nas últimas semanas sobre dois cachorros que "testaram positivo para a Covid-19" durante uma campanha de detecção feita com 17 cachorros e oito gatos que vivem em contato com pessoas portadoras do vírus.

"Até agora, nada indica que um animal doméstico possa transmitir o vírus ao homem ou a outros animais domésticos", afirmou a instituição belga.

"O risco de transmissão do vírus dos animais domésticos aos seres humanos é insignificante em comparação ao risco de transmissão por contato direto entre seres humanos", ressaltou a Afsca.

Por precaução é "altamente recomendável" aplicar regras clássicas de higiene com os animais domésticos: "evitar os contatos próximos com eles, lavar as mãos depois de manipulá-los ou deixar que os animais lambam o seu rosto".

Trata-se de medida para impedir a transmissão do vírus ao animal e de evitar que o mesmo se torne um portador do vírus, concluiu a Afsca.
O que é coronavírus?

Coronavírus é uma família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus foi descoberto em 31/12/19 após casos registrados na China.Os primeiros coronavírus humanos foram isolados pela primeira vez em 1937. No entanto, foi em 1965 que o vírus foi descrito como coronavírus, em decorrência do perfil na microscopia, parecendo uma coroa.

A maioria das pessoas se infecta com os coronavírus comuns ao longo da vida, sendo as crianças pequenas mais propensas a se infectarem com o tipo mais comum do vírus. Os coronavírus mais comuns que infectam humanos são o alpha coronavírus 229E e NL63 e beta coronavírus OC43, HKU1.

Como prevenir o coronavírus?

O Ministério da Saúde orienta cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o coronavírus. Entre as medidas estão:

  • Lavar as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização. Se não houver água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool.
  • Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas.
  • Evitar contato próximo com pessoas doentes.
  • Ficar em casa quando estiver doente.
  • Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo.
  • Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com freqüência.
  • Profissionais de saúde devem utilizar medidas de precaução padrão, de contato e de gotículas (mascára cirúrgica, luvas, avental não estéril e óculos de proteção).

Para a realização de procedimentos que gerem aerossolização de secreções respiratórias como intubação, aspiração de vias aéreas ou indução de escarro, deverá ser utilizado precaução por aerossóis, com uso de máscara N95.
Anterior
Próxima

Blogueiro, editor do blog Merece Destaque, apaixonado por comunicação e por fotografia, Almir Neves gosta de inovar e aceitar novos desafios.

0 Comentários: