Magalu

PIB pernambucano tem alta de 2% entre julho e agosto


Pernambuco registrou crescimento de 2% em seu Produto Interno Bruto entre julho e agosto desse ano. É a quarta alta consecutiva na variação mensal. Agosto foi o primeiro mês, desde fevereiro, a ter variação positiva em comparação ao mesmo período de 2019 - com um aumento de 0,3%. No acumulado dos últimos doze meses, o PIB do Estado caiu 2%. O dado foi revelado em um novo boletim mensal sobre a economia pernambucana, divulgado ontem (21) pela Agência Condepe/Fidem.

Agosto dá início à divulgação mensal desse novo boletim do Produto Interno Bruto (PIB), já anunciado no final da apresentação dos dados do 2º trimestre deste ano, em coletiva realizada pela Condepe/Fidem. A agência já produzia um estudo trimestral desse indicador, com a análise da agropecuária, da indústria e dos serviços.

Segundo o diretor de Estudos e Pesquisas da entidade, Maurílio Lima o objetivo do levantamento mensal é de oferecer um panorama mais atual da evolução da economia pernambucana, "a exemplo do PIB trimestral, este modelo tem um referencial metodológico do Sistema de Contas Regionais, para assegurar os princípios de compatibilidade e comparabilidade com os resultados do PIB Nacional, portanto em permanente ajuste com este", registra o diretor.

A ótica do produto, com os cálculos dos Valores Adicionados (VAB) de 17 ramos de atividade econômica (entre elas a agropecuária, construção civil, serviços, administração, saúde, alojamento, entre outras) foi a metodologia adotada para realizar o levantamento mensal. Maurílio Lima explica que, em termos de volume, os indicadores do VAB, dos Impostos e do PIB, são utilizados aproximadamente 194 variáveis com significância para acompanhamento setorial. Os resultados desses cálculos são apresentados agregados nos três grandes setores (agropecuária, indústria e serviços), Valor Adicionado Bruto e PIB.

DADOS - O PIB do estado começou a apresentar crescimento na variação mensal em maio (5,5%), junho (2,7%), julho (4,6%) e agosto (2%). Na base de comparação entre agosto de 2020 com o mesmo mês do ano passado, a indústria apresentou a maior recuperação, com crescimento de 7,6%. A agropecuária também registrou alta, com 2,2%. Em contrapartida, o setor de serviços ainda registrou taxa negativa de 1,5%. ?Essa recuperação mostra que é reflexo da volta das atividades, da abertura da economia mesmo com as limitações dos protocolos. A indústria de transformação teve importância, com influência positiva do segmento automotivo em Pernambuco. A agropecuária não foi tão afetada pela pandemia. Já no setor de serviços, vários segmentos sinalizaram recuperação em relação ao mês de julho, principalmente o comércio varejista e atividades turísticas, mas ainda não atingiu os patamares observados no mesmo período de 2019, acrescenta o diretor.

Assessoria de comunicação CONDEPE/FIDEM

Postar um comentário

0 Comentários