Pesquisar neste blog

21 de maio de 2016

Norma alerta para conduta em casos de engasgo ou asfixia


Imagine que você está em um restaurante com amigos. De repente, um deles começa a ficar agitado, sem conseguir falar e tossindo muito. Dá para perceber que ele está engasgado, mas o que fazer?

A situação é mais comum do que se imagina, mas a demora na prestação do socorro ou a realização de procedimentos errados, como tapas nas costas, podem gerar sequelas e até mesmo resultar em morte. Para instruir a população sobre como reagir, restaurantes, bares e lanchonetes do Estado deverão cumprir a Lei Estadual nº 15.714/ 2016, que determina a afixação de cartazes com o procedimento correto para essa situação: a Manobra de Heimlich. A lei foi originada de um projeto de lei de autoria do deputado Beto Accioly (PSL).

Caracterizado por compressões abdominais, o procedimento foi desenvolvido, há 42 anos, pelo médico estadunidense Henry Heimlich. Estima-se que, no início da década de 1970, cerca de 4 mil pessoas morriam, por ano, vítimas de asfixia causada por alimentos e pequenos objetos nos Estados Unidos. Pelas contas do médico, mais de 100 mil pessoas foram salvas pela manobra.

Após aproximadamente 15 segundos sem conseguir respirar, o engenheiro Marcelo Pinheiro foi resgatado graças à realização do procedimento por um colega de trabalho. “Fiquei engasgado ao rir enquanto comia. Por sorte, a empresa onde trabalho realiza treinamento de primeiros socorros. Assim, todo mundo estava apto a realizar a Manobra de Heimlich”, conta. Ao tomar conhecimento da lei, Pinheiro a avaliou como “importantíssima”. “É muito válida uma legislação que dissemine esse conhecimento, capaz de salvar vidas”, ressaltou.

Tenente-coronel do Corpo de Bombeiros, Edson Marconni Almeida já executou a manobra várias vezes, sendo, inclusive, criador de um aplicativo de primeiros socorros que a corporação disponibiliza à sociedade. “No caso de engasgo, quem presta o socorro deve se posicionar por trás da vítima, como se a estivesse abraçando, e comprimir a região abdominal para cima. Isso fará com que o volume do tórax seja diminuído e o ar dos pulmões impulsionado para cima, fazendo pressão para expulsar o objeto”, explica. Ele também chama atenção para o cuidado com os brinquedos das crianças: “Os casos de engasgo não ocorrem apenas durante a alimentação. É preciso ficar atento na hora de comprar brinquedos, respeitando sempre o indicativo de idade do Inmetro”.

Quanto mais rápido a manobra for aplicada, maior a chance de resolver o engasgo sem danos. “A depender da situação, o indivíduo engasgado poderá sobreviver por um período de 30 segundos a quatro minutos. As sequelas também podem ir de lesões neurológicas, motoras e neurosensoriais, ou até mesmo resultar em morte, infelizmente”, ressalta o médico Eduardo Figueiredo, do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco.

O deputado Beto Accioly (PSL) ressalta a importância da divulgação do procedimento. “Como se trata de uma técnica de emergência simples, qualquer pessoa consegue executar a Manobra de Heimlich, desde que orientada. Ao tornar obrigatória a disseminação dessa informação nos estabelecimentos de consumo de alimentos, nosso objetivo é contribuir para o salvamento de vidas”. Em vigor desde o dia 3 de março deste ano, a norma determina que os cartazes, em tamanho A3 (420x297 mm), devem ser afixados em local de fácil visualização e em número compatível com as dimensões do estabelecimento.

Presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes em Pernambuco (Abrasel-PE), André Araújo relatou que, em conversa com alguns membros da entidade, observou uma recepção positiva da legislação. Por outro lado, o grupo lamentou o fato de não ter sido ouvido no processo de elaboração da regra. “Gostaríamos de ter contribuído com a iniciativa, num processo construtivo para enriquecer a legislação”, comentou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

AddToAny

Traduzir / Translate