Especialista alerta sobre os cuidados com os olhos no Inverno

Foto: Reprodução/Internet.
O tempo chuvoso e menos quente do inverno pernambucano chegou e com ele algumas doenças nos olhos, típicas nesta época do ano. As ocorrências de conjuntivite e alergias oculares, por exemplo, tendem a aumentar. “Por conta do frio, as pessoas ficam mais em espaços fechados, isso aumenta a transmissão de conjuntivites. Além disso, a queda na temperatura predispõe a problemas alérgicos como rinite, que muitas vezes causa doenças oculares. Em outras regiões do país, onde há baixa umidade do ar, as incidências com olho seco também aumentam,” explica a oftalmologista Marília Coutinho, especialista em vias lacrimais, plástica ocular e órbita no Instituto de Olhos do Recife (IOR). 

Outros fatores também incidem no aumento de doenças oculares neste período. Pelos de animais domésticos, fungos no ar, ácaros, poeira, entre outros, circulam livremente nos ambientes. Porém, quando essa circulação acontece em espaços com pouca ventilação ou fechados, a ação deles sobre os olhos pode ser bastante nociva. “A limpeza dos espaços, de forma frequente, é imprescindível para evitar complicações oculares. Especialmente lugares fechados que facilitam a transmissão de vírus e bactérias e podem causar conjuntivites”, orienta a doutora Marília. 

Quem é alérgico também fica mais suscetível a doenças oculares. “Se a pessoa tiver uma crise alérgica e sentir muita coceira ou irritação nos olhos, não deve esfregá-los. Melhor lavar o rosto e a área dos olhos com água corrente e procurar um oftalmologista o mais rápido possível. Caso os sintomas incomodem muito, deve-se procurar uma urgência oftalmológica”, aconselha a médica.

Quanto à síndrome do olho seco, a doutora Marília explica que os sintomas podem ser ardência, irritação, coceira, lacrimejamento, vermelhidão, sensação de cisco no olho, embaçamento visual, sensibilidade à luz e dificuldade de permanecer em ambientes com ar condicionado. “Se apresentar estes sintomas, o paciente deve procurar um oftalmologista para uma avaliação. Caso seja diagnosticada a doença, podemos tratá-la com uso de lubrificantes, géis e outro medicamentos”. 

Além de todas essas precauções e cuidados, a médica reforça que as visitas ao oftalmologista devem ser feitas regularmente. “É importante agendar consultas a cada seis meses. Dessa forma, é possível não só tratar as doenças oculares, como também as prevenir”.

Serviço:
Dra. Marília Coutinho
Instituto de Olhos do Recife
(81) 2122.5000
Anterior
Próxima

Blogueiro, editor do blog Merece Destaque, apaixonado por comunicação e por fotografia, Almir Neves gosta de inovar e aceitar novos desafios.

0 Comentários: